Image Map
Image Map
Image Map

segunda-feira, 11 de junho de 2018

CENTRAL DA COPA : Copa da Rússia 2018, conheça os principais favoritos ao título


Público leva réplica da taça da Copa às ruas de Moscou - 

Moscou - A dois dias da abertura da Copa do Mundo da Rússia-2018, Brasil, Alemanha, Espanha, França e Argentina apostam em diferentes características para justificarem o status de favoritas ao título mundial. Confira os principais candidatos. 
Brasil sonha com o hexa
Liderada pelo talento de Neymar, Brasil chega a Copa do Mundo embalado por grandes apresentações- AFP
Liderada por Neymar, plenamente recuperado de lesão que o tirou dos gramados por três meses, o Brasil quer fechar de vez a ferida do traumático 7 a 1 e conquistar o sexto título mundial.
Desde que Tite assumiu o comando da equipe, o Brasil recuperou a boa forma de jogar e se tornou um time confiável. A "Neymar-dependência" já não é tão nítida como outrora, mas o craque do Paris Saint-Germain continua sendo o personagem fundamental para elevar o nível da seleção a outro patamar.
A equipe vem de boas vitórias sobre Croácia e Áustria, nos últimos amistosos antes da bola rolar no mundial, e mostrou segurança defensiva e boas alternativas para criar chances no ataque.
Marcelo, Philippe Coutinho, Wilian, Douglas Costa e Gabriel Jesus auxiliam Neymar a quebrar retrancas e diluem a responsabilidade de marcar gols.
Alemanha quer bicampeonato

Mais uma vez favorita: Alemanha mantém boas apresentações e a seleção ser batida - AFP
A atual campeã Alemanha tem muitos argumentos para defender o troféu e levantar o bicampeonato consecutivo. O técnico Joachim Low se deu ao luxo de deixar Mario Gotze, autor do gol da vitória na última final, e o jovem Leroy Sané, um dos principais jogadores da temporada do Manchester City, de fora da lista de convocados.
No grupo F ao lado de México, Suécia e Coreia do Sul, os alemães vão para a competição com boa parte do time que venceu o tetracampeonato e entrou para a história ao golear o Brasil por 7 a 1 na semifinal, em 2014.
O grupo de 23 jogadores mescla atletas experientes com uma nova geração de jogadores, como Joshua Kimmich, Julian Draxler e Timo Werner, também exitosos no título da Copa das Confederações em 2017. A Alemanha levou o troféu com um time "B".
A principal dúvida é a forma física do capitão e goleiro Manuel Neuer, que ficou de fora dos gramados por oito meses mas participou dos últimos amistosos da Mannschaft sem maiores limitações.
Argentina conta com Messi

Em baixa, Messi é a aposta da Argentina para surpreender no mundial - AFP
Se não fosse por Lionel Messi, a Argentina talvez nem estivesse disputando a Copa do Mundo. O craque e capitão salvou a equipe no último jogo das eliminatórias e é a esperança da bicampeã para voltar a levantar o troféu.
Mas a geração do craque do Barcelona é assombrada pela falta de títulos, principalmente pelos vice-campeonatos recentes (Copa do Mundo-2014 e Copas América 2007, 2015 e 2016).
A necessidade de levantar um caneco com a seleção é nítida para começarem a colocá-lo no mesmo patamar de Diego Maradona, responsável pelo bi mundial em 1986.
Espanha recupera autoestima

Passando por renovação, 'Fúria' sonha com o bi - AFP
Depois da geração de ouro conquistar o bi da Eurocopa (2008 e 2012) e a primeira Copa do Mundo (2010) da história do país, a Espanha fracassou nas grandes competições seguintes. Mas sob comando de Julen Lotepegui, a equipe recuperou o bom futebol e a autoestima.
Misturando craques campeões, como Iniesta, Sergio Ramos e Piquet, com jovens talentos como Isco, Rodrigo e Asensio, a Espanha passeou nas eliminatórias europeias e espera repetir o sucesso da Copa da África do Sul.
A missão da "Fúria" é conseguir encontrar um equilíbrio do jogo de posse de bola com o ímpeto ofensivo do brasileiro naturalizado espanhol, Diego Costa.
Juventude e talento francês

Após participações discretas, França chega a Rússia como candidato a protagonista da competição - AFP
Vice-campeã da última Eurocopa-2016, a França aposta na juventude e no talento de Paul Pogba, Ousmane Dembélé, Kylian Mbappé e Antoine Griezmann para buscar o bicampeonato mundial.
O técnico Didier Deschamps segue defendendo a concentração do futebol coletivo, o que permitiu levantar o título em casa em 1998. Mas é justamente a irregularidade do jogo em equipe francês que coloca o favoritismo do país em dúvida, apesar de ter grandes nomes em todas as posições.
A lista de convocados é promissora. Impressiona também o nível dos jogadores que ficaram de fora, como Lacazette, Benzema, Rabiot, Martial e Payet. 
SEGUNDO PELOTÃO DE RESPEITO
Além dos tradicionais Alemanha, Brasil, Argentina, França e Espanha, seleções com grandes talentos individuais e elencos promissores apostam em tropeços dos favoritos para sonharem com o título, como Inglaterra, Uruguai, Portugal e Bélgica.
Uruguai, tradição e ataque mortal

Bicampeão mundial, Uruguai aposta em Suárez e Cavani para emplacar novo título - AFP
Primeiro campeão do mundo, em 1930, o Uruguai sonha em conquistar o tricampeonato apesar de não contar com um time de destaque em todas as posições. A força da "Celeste" está na tradição e na dupla de ataque formada por Luis Suárez e Edinson Cavani.
Os uruguaios chegam para a Copa após um sonhado quarto lugar, em 2010, e frustrada eliminação nas oitavas de final, em 2014. A partida ficou marcada pela mordida de Suárez no italiano Giorgio Chiellini.
O atacante do Barcelona precisa controlar os impulsos na Rússia, mas poderá ficar mais tranquilo por contar com os meias Matías Vecino e Rodrigo Betancur para criarem jogadas ofensivas. Na defesa, a dupla de zaga formada por Diego Godín e Jose María Giménez quer provar sua força.
Última chance para CR7?

Seleção portuguesa confia na habilidade de Cristiano Ronaldo, atual melhor do mundo - Divulgação FPF
A conquista da última Eurocopa sobre a anfitriã França aumentou as expectativas de Portugal na Copa do Mundo. O país aposta novamente o talento de Cristiano Ronaldo, que não conseguiu levar a equipe além das oitavas de final nas últimas duas edições do mundial. Por outro lado, o craque foi um dos principais nomes do Real Madrid no tricampeonato consecutivo da Liga dos Campeões.
Aos 33 anos, pode ser a última chance de CR7 liderar os lusos em direção ao inédito troféu da Copa do Mundo.
Ao lado de Espanha, Marrocos e Irã no grupo B, o técnico Fernando Santos quer que Ronaldo se associe com homens como Bernardo Silva e Gonzalo Guedes, jogadores que tiveram boa temporada defendendo Manchester City e Valencia, respectivamente
Juventude inglesa

Inglaterra - Reprodução
O técnico Gareth Southgate não hesitou ao deixar os veteranos como Wayne Rooney, Joe Hart e Jack Wilshere de fora da Copa do Mundo para apostar em jovens talentos.
A Inglaterra conta com uma geração promissora com nomes como Eric Dier e Delle Alli, no meio de campo, e Marcus Rashford e Harry Kane, no comando de ataque. O que pode pesar para a equipe é a falta de experiência em competições importantes, já que a média de idade do elenco é de 25,4 anos.
Todos os atletas convocados por Southgate atuam na Premier League, campeonato que mais cedeu jogadores para o mundial (124) e que é considerado um dos mais competitivos do mundo.
Bélgica quer atingir potencial

Bélgica quer colher os frutos da melhor geração de atletas de sua história - AFP
No papel, os Diabos Vermelhos tem um elenco equilibrado, com solidez em todas as partes do campo. A tarefa do técnico espanhol Roberto Martínez é comprovar que a "promissora geração belga" atingiu a maturidade e pode brigar pelo título com as seleções mais tradicionais.
Na última Copa do Mundo e na Eurocopa-2016, a equipe caiu nas quartas de final. Ainda assim, conta com jogadores do nível de Thibaut Courtois, Kevin De Bruyne, Eden Hazard, Yannick Carrasco, Romelu Lukaku para tentar repetir a melhor atuação na história com a semifinal de 1986.

NM com informações da AFP

Nenhum comentário:

Postar um comentário