Image Map
Image Map
Image Map
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Como será o amanhã? Com base experiente, CSA tem um esboço do time que vai encarar o Brasileirão

Foto: Emanuelle Borba
O CSA contratou jogadores experientes para enfrentar o Brasileirão. Voltou à Série A depois de 31 anos e precisa de jogadores que conheçam a competição.

De início, apostou em alguns jovens, mas, no meio da turbulência, fez uma mudança radical de rota. Ninguém no clube fala, mas o planejamento foi alterado após a eliminação precoce na Copa do Brasil. Antes, a ordem era buscar medalhões mais perto da Série A.

A derrota para o Mixto, dia 6 de fevereiro, fez a roda das contratações girar. Chegaram ao Mutange cinco jogadores nas últimas duas semanas (Apodi, Cassiano, Manga Escobar, Ronaldo Alves e Bruno Ramires). Todos com boa experiência.

Dá pra fazer quase um time só com os jogadores que disputaram e conhecem bem a Série A do Brasileiro. Da base que deve ser titular no dia 29 abril, provável data da estreia, apenas o zagueiro Luciano Castán não defendeu até agora um time da Primeira Divisão.

O goleiro João Carlos, por exemplo, jogou na Série A pela Ponte Preta entre 2015 e 2017. Foi destaque do CRB em 2018, na Segunda Divisão do Brasileiro, e mudou de clube em Alagoas. Ele tem 30 anos e saiu das divisões de base do Athletico-PR.

Na lateral direita, Apodi, de 32 anos, pede passagem. Ano passado, ele disputou a Série A pela Chapecoense. Foi ainda de Vitória, Bahia, Sport, Santos, Cruzeiro... Tem muita rodagem.

Na zaga, Ronaldo Alves, de 29 anos, é outro com experiência. Ficou nos últimos três anos no Sport e também jogou por Inter e Athletico-PR.

Na lateral esquerda, um bicampeão brasileiro. Carlinhos jogou no Fluminense, onde se destacou, e defendeu também o Inter, o São Paulo, o Santos e o Cruzeiro. Conhece bem a competição e está hoje com 32 anos.

Volantes

O volante Amaral jogou no Flamengo de 2012 a 2014. Tem 30 anos e também atuou no Vitória. Estava no Boa Esporte antes de fechar com o CSA e hoje luta para se manter na equipe.

O também volante Bruno Ramires, apesar de jovem, apenas 24 anos, saiu da base do Cruzeiro. Em 2016, chegou a fazer 16 jogos pela Raposa e deve brigar por posição com o experiente Amaral. Ele vai ser apresentado pelo CSA nesta quarta à tarde.

Alagoano

O meia Didira, único alagoano do time, é outro com experiência na Série A. O jogador, de 30 anos, defendeu o Atlético-MG em 2011.

Em 2019. no esquema do técnico Marcelo Cabo, ele disputou os últimos jogos como segundo volante e é justamente essa polivalência que pode deixá-lo no time para o Brasileiro.

Seria, assim, o único titular do time que subiu de divisão em 2018 a continuar na equipe para a Primeira Divisão. Detalhe: ele participou também dos acessos do CSA para as séries C e B nos últimos três anos e tem uma marca histórica no clube.

Camisa 10 do Azulão, Matheus Sávio saiu da base do Flamengo e jogou no ano passado na Primeira Divisão. Fez gol até no clássico contra o Botafogo. Até agora, em Alagoas, oscilou entre grandes apresentações e partidas mais discretas. Tenta pegar ritmo.

A armação, aliás, é uma posição que a diretoria do time alagoano está de olho. Deve contratar outro meia para a Série A. O impacto do nome depende da evolução de Matheus.

No ataque, Régis, de 29 anos, estava no São Paulo em 2018. Até se destacou, mas teve problemas pessoais e deixou o clube em outubro. Já estreou e vem sendo uma peça importante no esquema do CSA nesta temporada. É o cara dos cruzamentos e das assistências.

Quem não estreou

Velocista, o atacante Manga Escobar, de 27 anos, atuou no Vasco em 2017. Fez 19 jogos pelo clube carioca e marcou dois gols. Ele, Carlinhos, Apodi, Ronaldo Alves ainda não estrearam pelo CSA e vão dar um toque de experiência quando começarem a ser encaixados na equipe.

Dos quatro, Carlinhos é o que precisa dar a volta por cima. Ano passado, jogou pouco no Paysandu e tenta recuperar seu futebol em Alagoas.

Centroavantes

Homem de referência do time em 2019, Patrick Fabiano, de 31 anos, desenvolveu quase toda a carreira no futebol árabe, mas também disputou a Série A em 2011, pelo Athletico-PR.

Este ano, Patrick marcou sete gols em nove jogos e virou o artilheiro do CSA. Sua sombra no Mutange será Cassiano, que se destacou no Paysandu em 2018 e também tem passagem pelo Inter, em 2012.

NM com Globoesporte.com/al

Nenhum comentário:

Postar um comentário