Image Map
Image Map
Image Map

sábado, 17 de novembro de 2018

Mesmo com um Rei Pelé lotado, CSA perde para o Avaí e decepciona torcida

FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS
O que tinha tudo para ser uma tarde/noite de festas e comemorações, transformou-se em frustração e decepção para a torcida do CSA, neste sábado (17). Jogando uma verdadeira decisão pela Série B, que poderia ter lhe garantido o acesso à Série A de 2019, o CSA entrou em campo nervoso, irreconhecível, desorganizado, e fez uma apresentação questionável, deixando escapar a chance preciosa de ascender à Primeira Divisão. O Azulão perdeu para o Avaí por 1 a 0 e deixou frustrados os mais de 18 mil torcedores que se fizeram presentes ao Estádio Rei Pelé. 
O atacante Getúlio, de cabeça, marcou o gol da vitória do Leão, aos 39 minutos da etapa inicial. Ainda como detalhe do jogo, CSA e Avaí tiveram um jogador expulso de cada lado: Capa (Avaí, no primeiro tempo) e Xandão (CSA, no segundo tempo).
Com a derrota, o CSA estacionou nos 59 pontos e agora é o quinto colocado na tabela. O time marujo foi ultrapassado pelo Goiás, que venceu o Oeste por 3 x 1 no interior de São Paulo na noite deste sábado. Com a vitória, o time esmeraldino assegurou uma vaga na elite do futebol brasileiro no ano de 2019.  O Avaí, por outro lado, saltou duas posições e assumiu a vice-liderança, com 60 pontos.

Apesar do resultado negativo, em casa, o CSA depende apenas de suas próprias forças para conseguir o acesso à elite do futebol nacional. Para isso, precisará vencer o Juventude, no Alfredo Jaconi, próximo sábado (24), às 16h (horário de Alagoas) pela rodada final da Série B.

CSA 0x1 Avaí
Confira os melhores momentos da partida válida pela 37ª rodada da Série B do Brasileirão

No mesmo dia e horário, o Avaí faz o confronto direto com a Ponte Preta, na Ressacada, em Santa Catarina. Um empate garante os catarinenses na Primeira Divisão.

O jogo
Torcedor azulino homenageou o técnico Felipão, a rainha Marta e o cantor Eliezer Setton
FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS

























A partida começou de forma intensa, mas com o CSA melhor. Aos 3 minutos chegou. Hugo Cabral recebeu a bola de Daniel Costa e arrancou em velocidade pela ponta-esquerda. Ele tentou o cruzamento, a bola resvalou em Guga e foi para escanteio. Daniel bateu curto com Neto Berola, que levantou na área e a bola passou por todo mundo. Na sequência, Walter recuperou a redonda, cruzou, mas a zaga do Avaí cortou. 
Aos 7 minutos, o Avaí chegou. Getúlio avançou pela ponta-esquerda, deixou Celsinho para trás e finalizou. A bola passou à esquerda de Lucas Frigeri e foi em tiro de meta para o CSA.
CSA encontrava dificuldades, principalmente no setor de criação
FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS

























O Avaí pressionava a saída de bola do CSA, que tinha dificuldades na criação. E o time catarinense chegou com perigo aos 14 minutos. Pedro Castro recebeu um lindo lançamento cara a cara com Frigeri, mas Elivelton se antecipou e impediu a finalização do meia do Avaí. 
Aos 19 minutos o CSA respondeu. Neto Berola cruzou da direita, o goleiro do Avaí desviou e a bola ficou limpa para Hugo Cabral, que soltou a bomba de perna direita e o goleiro fez uma grande defesa com a mão esquerda, livrando o que poderia ter sido o gol do CSA.
Getúlio subiu sozinho para fazer o gol da vitória do Leão, aos 39 minutos da primeira etapa
FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS

























Aos 39 minutos, o Avaí abriu o placar, para tristeza do time do Mutange. Guga cobrou escanteio, uma bola aérea, fechada, ela subiu e Getúlio, sozinho, tirou do goleiro Frigeri e guardou de cabeça. Uma ducha fria para o Azulão: 1 a 0. E um minuto após o gol, quando os jogadores do Avaí ainda comemoravam, o lateral-direito Capa foi expulso por dar uma entrada dura em cima de Neto Berola.
Em busca do gol de empate, mas nervoso, o CSA teve uma grande chance aos 42 minutos. Rafinha cruzou a bola na medida, Celsinho infiltrou por trás da zaga e finalizou para fora, perdendo a chance de empatar a partida ainda no primeiro tempo.
Nervosismo e pouca organização
O segundo tempo começou bom para o Avaí, que estava tranquilo por causa da vantagem no placar e gastava o tempo enquanto podia. Enquanto o CSA tentava chegar ao gol de empate, passou a pressionar, mas não tinha sucesso. Aos 11 minutos, Celsinho desceu pela direita, chegou até a linha de fundo e cruzou, mas Guga afastou de cabeça.
Atacante Hugo Cabral teve algumas oportunidades de gol durante a partida
FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS

























Aos 13 minutos, de novo o Azulão chegou. Judivan, que entrou nessa segunda etapa, escapou da marcação, serviu Walter, que cruzou na área. Hugo Cabral tentou de bicicleta, mas o chute saiu feio e a zaga do Avaí mandou para escanteio. 
Aos 16, novamente um bom momento azulino. Rubens, em seu primeiro toque na bola, foi desarmado e a bola sobrou para Walter, que mandou uma bomba, de perna direita, e a bola passou bem perto do travessão. 
Walter foi muito marcado pela defesa do Avaí e pouco criou
FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS
























Com as substituições feitas pelo técnico Marcelo Cabo, o CSA passou a dominar o jogo, ter mais posse de bola. Mas não conseguia finalizar. E em um momento em que o CSA estava melhor, uma infelicidade para o Azulão. O zagueiro Xandão foi expulso, por levantar demais o pé e acertar as costas de Renato.
A torcida do CSA se impacientava nas arquibancadas, vendo o tempo passar e o time azulino, nervoso e na base do desespero, não conseguia ao menos o gol de empate. 
CSA abusou das bolas aéreas durante boa parte da etapa final
FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS

























E o jogo caiu de rendimento. Ficou truncado e com muitas faltas. Os jogadores do CSA nervosos e, por outro lado, os do Avaí só administravam o resultado e gastavam o tempo.
Aos 33 minutos, por muito pouco o Leão não fez o segundo gol. Matheus Barbosa avançou pelo meio, ficou cara a cara com Frigeri e tocou na saída do goleiro. A bola "beijou" o pé da trave direita e foi pela linha de fundo, para alívio do CSA.
Apesar do sufoco e do nervosismo, o CSA procurava o gol de empate e a torcida se agitava, ainda esperançosa, empurrando o time. Aos 44 minutos, um lance inacreditável. Pio cobrou o lateral na área, a zaga do Avaí não afastou e a bola sobrou para Hugo Cabral, que finalizou da pequena área e mandou para fora.
No finzinho da partida, Elivelton acertou o travessão do goleiro Kozlinski
FOTO: AILTON CRUZ/GAZETA DE ALAGOAS

























O jogo seguia para os acréscimos e aos 47 minutos o Azulão mandou uma bola na trave. Pio cobrou escanteio com efeito, Elivelton desviou de cabeça e a bola explodiu no travessão. Aos 48 minutos, mais uma tentativa azulina. De novo com Pio. Ele cobrou a falta, a bola sobrou para Dawhan, mas ele mandou para fora a última chance do empate, antes do apito final do árbitro.
Ao final da partida, uma parte da torcida do CSA aplaudiu o time e outra parte, decepcionada com a graça exibição azulina, vaiou e xingou os jogadores marujos, quando eles se dirigiam para os vestiários.
CSA: Lucas Frigeri; Celsinho, Elivelton, Xandão e Rafinha; Yuri, Dawhan e Daniel Costa (Daniel Costa); Neto Berola (Judivan), Hugo Cabral e Walter (Pio). Técnico: Marcelo Cabo.
Avaí: Kozlinski; Guga, Marquinhos Silva, Betão e Igor Fernandes (Capa); Judson, Pedro Castro, Matheus Barbosa; Renato, Getúlio e Daniel Amorim (Iury). Técnico: Geninho.
Árbitro: Ricardo Marque Ribeiro (Fifa-MG).
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG) e Sidmar dos Santos Meurer (CBF-MG).
NM com Feranda Medeiros e Isaac Simões

Nenhum comentário:

Postar um comentário