Image Map
Image Map
Image Map
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Chicão é absolvido das acusações em esquema de corrupção no futebol da Paraíba

FOTO: WELLIGTON CAMPOS
Por unanimidade de votos, o árbitro alagoano Francisco Carlos do Nascimento foi absolvido, na manhã desta quarta-feira (14), das acusações de participação em um esquema de manipulação de resultados durante o Campeonato Paraibano desta temporada. A suspeita foi investigada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB)  que, em setembro deste ano, desencadeou a Operação Cartola. O julgamento aconteceu no Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro.
Após o resultado que o inocentou, Chicão falou sobre o sentimento de ter sido absolvido. 
"Você não imagina o peso que está saindo das minhas costas com esta decisão. Foi um sofrimento muito grande durante todo esse momento para todos os meus amigos e a família. Estou muito feliz. Quero agradecer a Deus e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) por sempre ter confiado na minha palavra e espero o mais rápido possível poder voltar a fazer o que eu mais gosto: apitar jogos de futebol", afirmou o árbitro, acrescentando que não pretende processar ninguém, a partir de agora.
"Eu penso em seguir a vida! São danos irreparáveis na minha carreira profissional. Mas, o que quero mesmo é retornar às escalas de arbitragem", concluiu.
Inicialmente, Francisco Carlos seria julgado pela Terceira Comissão Disciplinar do órgão máximo da justiça desportiva no dia 9 de outubro. No entanto, um pedido de vista do auditor Vanderson Maçullo Braga para analisar a competência do julgamento pela comissão adiou o julgamento.
Entenda o caso
Chicão foi o árbitro sorteado e responsável por apitar a primeira partida da final do Campeonato Paraibano de 2018, entre Botafogo e Campinense. Ele teve teve seu nome citado numa interceptação telefônica durante conversa com o presidente do Campinense, William Simões, antes da primeira partida das finais do Estadual. De acordo com o material, o dirigente teria tentado assediar o alagoano para a Raposa ser favorecida no duelo contra o Botafogo-PB.
Em junho deste ano, o Ministério Público da Paraíba listou 17 pessoas suspeitas de integrar o esquema que manchou o futebol paraibano. À época, Francisco Carlos chegou a ser citado, mas seu nome não constou na relação dos denunciados, e o árbitro seguiu apitando jogos pelo Campeonato Brasileiro. No entanto, na segunda denúncia, o MP entendeu que o alagoano também deveria responder pela suposta ligação com o esquema.
NM com Gazetaweb.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário