Image Map
Image Map
Image Map
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui

sábado, 10 de novembro de 2018

Anaf entrará na justiça contra o presidente do Corinthians, Andrez Sanches

A crítica que o presidente do Corinthians fez, sobre a atuação do árbitro paranaense Rodolpho Toski, responsável pela condução do clássico contra o São Paulo, pela 33ª rodada do campeonato brasileiro alegando que o clube foi prejudicado por ter se posicionado contra a implementação do árbitro de vídeo (VAR) na reta final do torneio, além de desrespeitosa, foi caluniosa e totalmente desnecessária.

Como parlamentar e presidente de um dos clubes mais populares do futebol nacional, Andrez Sanches deveria rever seus conceitos sobre a arbitragem, afinal de contas o árbitro de futebol é um ser humano que erra na mesma proporção ao interpretar um lance de maneira equivocada, assim como um dirigente quando contrata um atleta que não rende o esperado para o clube.
É inaceitável que o dirigente responsável pela condução de um dos clubes mais importantes do Brasil, coloque em xeque não o árbitro Rodolpho Toski, mas a arbitragem brasileira de uma maneira geral, quando, através da imprensa, “gratuitamente” insinua que o árbitro foi para o jogo sensível a “prejudicá-lo” em face de sua recusa em não investir no “projeto árbitro de vídeo”, popularmente conhecido como VAR.
Por este motivo, o departamento jurídico da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol do Brasil (Anaf), vai interpelá-lo judicialmente para que o dirigente possa provar o que afirmou.
É sabido que o processo de escolha no futebol brasileiro infelizmente é fragilizado e amplamente discutível. Não há como defender o que os olhos do mundo viram no clássico paulista, entretanto, é preciso refletir sobre conceitos, pessoas e escolhas no processo de promoção de um árbitro de futebol.
Toski tem suas limitações, mas é novo e pode evoluir. A história mostra que muitos árbitros antes de chegarem ao ápice de suas carreiras, tiveram que passar por esse amadurecimento no campo de jogo. E é justamente isso que se espera dele.
Mesmo sendo o “país do futebol”, há quatro anos se questiona o VAR no Brasil sem que ele efetivamente se torne modelo para o mundo. Ao invés de discutir quem vai pagar a conta, clubes e as entidades deveriam se unir para que o futebol brasileiro fosse reinventado a começar pela postura dos dirigentes que infelizmente ainda insistem em atacar a arbitragem como neste exemplo.
A arbitragem é o único segmento do futebol em que, para atuar, seus profissionais passam por um rigoroso processo de seleção. Tanto é que algumas federações no país e a própria CBF possuem uma corregedoria exclusiva para este fim. Portanto, é inadmissível e inaceitável que se coloque em xeque a lisura dos árbitros do Brasil.
"Vamos continuar trabalhando para que os resultados sejam legitimados dentro de campo e que os gols, dribles e belas jogadas voltem a protagonizar as manchetes esportivas do “dia seguinte”, falou Salmo Valentim ,Presidente da ANAF.
NM com site da ANAF

Nenhum comentário:

Postar um comentário