Image Map
Image Map
Image Map
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Arbitragem de base? Como a Bahia inova e tenta melhorar o apito brasileiro

Vem da Bahia um dos projetos mais ousados e inovadores do futebol brasileiro. Criada em 2000, a Divisão de Base dos Árbitros de Futebol (DBAF) tem como objetivo desenvolver jovens para trabalhar na profissão mais indigesta do esporte: a de árbitro de futebol.

“Esse projeto visa a incentivar garotos de dez a 17 anos a conhecerem as regras do futebol. O futebol sempre priorizou formar e descobrir jogadores… Então, a gente está fazendo um trabalho para também despertar no jovem a vontade de ser árbitro de futebol desde a base”, explicou Rildo Góis, em entrevista exclusiva a Mauro Beting, para a Rádio Jovem Pan.

Rildo foi árbitro do quadro da Federação Baiana de Futebol (FBF) de 1999 a 2007. Em 2000, percebeu que o Brasil ainda carecia de cursos que ajudassem na formação de árbitros. Foi daí que surgiu a idéia de criar a DBAF – projeto que, além de desenvolver árbitros, tem um importante viés social.
Rildo Góes (camisa listrada) com garotos do projeto DBAF
“Desenvolvemos nos jovens a leitura e interpretação, porque há o livro de regras, e a escrita, por causa da súmula… Assim, vamos abrindo novos horizontes para a vida desses meninos. Se eles não forem árbitros, pelo menos vão sair do curso com uma boa noção de leitura e escrita, além de um importante conhecimento sobre as regras do jogo”, justificou Góis.

“A essência do projeto é mostrar para esses jovens que eles podem estar envolvidos no futebol não só como jogadores, mas também como árbitros. O nosso trabalho é muito lúdico e requer bastante tempo, porque lida muito com a parte teórica… Mas também é recompensador. Tem um garoto formado aqui que inclusive já integra o quadro da CBF”, celebrou.

A DBAF ministra aulas teóricas e práticas aos jovens. Além disso, permite que eles visitem CTs de clubes profissionais e participem de jogos de categorias menores. Tudo para que já se acostumem com a pressão de atuar na função mais ingrata do esporte mais popular do planeta.
Fonte: Jovem Pan

NM com Marcelo Marçal do Apito Nacional.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário