Image Map
Image Map
Image Map
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui

domingo, 24 de julho de 2016

Marta diz que não busca sucesso individual e "cogita" atuar até na zaga

Marta e mais 10. A expressão atualmente não descreve fielmente a seleção brasileira feminina. Diante da Austrália, no último sábado, em Fortaleza, a responsabilidade foi distribuída e refletiu-se no placar: 3 a 1 com gols de Debinha, Raquel e Darlene. A capitã não precisou ser a atriz principal para que o grupo assegurasse o triunfo. Ela celebrou essa divisão de tarefas e ressaltou que o espírito é doar-se ao coletivo. Se precisar atuar de zagueira ou lateral não verá problema.
- A gente trabalha muito esse lado de realmente mostrar que todas têm seu devido valor dentro da equipe. Não vai ser sempre que a Marta que vai fazer o gol, mas participando de alguma maneira, buscando sempre o objetivo que é a vitória. Isso que é importante. A gente não está aqui para consagrar um ou outro atleta. Estamos aqui para consagrar uma equipe, um trabalho que está sendo feito com bastante vontade. É isso que a gente vem buscando. Se tiver que correr, jogar de zagueira ou lateral vai jogar independente da posição. Tudo é sempre buscando o melhor para a equipe - afirmou Marta
Vadão afirmou que objetivo é não sobrecarregar Marta para que ela não tenha a obrigação de jogar sempre em alta performance. O treinador colocou que a seleção não é o "time da Marta", mas sim de todas igualmente. Ele ainda enalteceu a formação com Bia e Cristiane na frente, dando mais força no confronto diante das adversárias.
- O que nós estamos tentando construir é exatamente isso. Para que não sobrecarregue a Marta. A Marta não é obrigada a jogar todos os jogos como melhor e decidir os jogos para o Brasil. Se não não é seleção brasileira. É o time da Marta porque vai jogar toda responsabilidade nela. Acho que a coisa está indo bem, está caminhando bem. No sábado experimentamos uma formação diferente colocando duas atletas na frente, Bia e Cristiane. A gente não tinha feito isso ainda porque a Bia se machucou e só chegou agora. Neste sábado, foi a única oportunidade que tivemos. Gostei, com essa força, elas podem dar essa qualidade. Já a Raquel é completamente diferente. A Raquel é uma jogadora inteligente para infiltrar. Tanto é que toda infiltração dela, ela sai livre. Fez um belo gol não pelo gesto técnico, mas pela qualidade dela. Ela tem essa movimentação diferente da Bia e Cris que são jogadoras de força e velocidade, de chocar e trombar. Estamos com um elenco bem distribuído com o número reduzido de 18 que tivemos.
A seleção brasileira ingressou na vila olímpica no domingo depois de chegar do Ceará, onde enfrentou a Austrália. Nesta segunda-feira, a equipe treina a partir das 16h. A estreia nos Jogos é dia 3 de agosto diante da China. Dia 6, a Suécia é a adversária. A África do Sul é a última rival da primeira fase, no dia 9. 
NM com Globo Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário