Image Map
Image Map
Image Map
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui

domingo, 5 de junho de 2016

"Jogo foi feio demais", admite técnico azulino Oliveira Canindé

O técnico Oliveira Canindé, em breve coletiva de imprensa concedida ainda no gramado do Trapichão, na noite deste sábado, admitiu que o desempenho de seu time diante do Murici esteve muito aquém do esperado. Para ele, as vaias ao final da partida foram bem vindas porque o jogo "foi feio demais", com a equipe, segundo o treinador, precisando melhorar até a estreia na Série D do Brasileiro, fora de casa, no próximo domingo. O comandante azulino também voltou a dizer que sente a ausência de alguns jogadores que integraram o elenco vice-campeão estadual, afirmando buscar caminhos para reencontrar as características que alega ter perdido. 
"O jogo foi muito feio, feio demais. E as vaias também são muito bem vindas. Precisamos melhorar muito. O público não foi aquele que esperávamos, mas precisamos fazer a nossa parte para reconquistar a confiança do nosso torcedor", comentou o treinador, que analisou ainda o fato de ter processado todas as alterações a que tinha direito em um amistoso, já que pretendia mudar o mínimo possível.
"Eu iria segurar o máximo que pudesse, mas depois fiquei receoso quando o Obina atacante, que se lesionou no segundo tempo] sentiu e precisou sair. Temi que isso acontecesse com os demais. Espero que nada de sério tenha ocorrido ao jogador. Agora, é trabalhar com consciência para que possamos render mais em um jogo no qual teremos muito mais dificuldades", emendou Canindé, referindo-se à partida de estreia no Brasileiro.
Na oportunidade, o técnico azulino disse também que sua equipe ainda está carente das características de jogadores como João Paulo Penha e Luís Soares, meio-campistas que deixaram o CSA após o Estadual. "Mas, sem querer inventar, vamos trabalhar para buscar os caminhos e encontrar este algo a mais", complementou, destacando, contudo, que o amistoso deste sábado foi o primeiro jogo "oficial" do grupo após a perda do título para o CRB. 
"É o primeiro jogo que fazemos depois do campeonato. Não tem como querer muita coisa. Segurei alguns jogadores o máximo que pude, a exemplo do Jean [Cléber, volante]. Mas eu precisava ver em ação jogadores como o Nicácio [Marcelo, atacante que entrou no tempo final], que não tinha como se sobressair logo de primeira", argumentou Canindé, acrescentando que deve iniciar a partida no Piauí, contra o Parnahyba, com o mesmo Nicácio entre os titulares.
"Ele não treinou desde que chegou. Fez apenas um rachão e uma complementação física no Mutange", justificou o técnico azulino.
NM com Bruno Soriano

Nenhum comentário:

Postar um comentário