Image Map
Image Map
Image Map
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui
Texto da legenda da imagem aqui

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Cauteloso, Canindé analisa goleada do CSA e põe os pés no chão: "Atípico"

A goleada aplicada em cima do Guarani-CE neste domingo foi muito comemorada pelo técnico do CSA, mas com bastante cautela, ao estilo Oliveira Canindé. Após o jogo disputado no Rei Pelé, o treinador analisou a partida, lembrou da derrota na estreia, ressaltou o espirito de superação da equipe maruja e tratou de manter os pés no chão na disputa da Série D do Campeonato Brasileiro.
- Claro que a gente tem que computar a primeira partida como um fator negativo por não termos vencido. Mas a equipe não deixou a desejar no quesito vontade e querer se superar, mesmo nas condições de gramado que tínhamos. E isso não quer dizer que não teremos dificuldades quando jogarmos aqui dentro. [O jogo de hoje] Foi um jogo atípico, começamos bem, a equipe fez logo os gols de cara, então isso aí facilita um pouco. Mas não podemos esquecer que isso aí são circunstâncias de jogo. A tendência é que nós encontremos adversários com a característica de jogo que foi o segundo tempo, mais difíceis, mais fechados e querendo complicar. Então cabe a nós encontrarmos essas brechas e conquistarmos os resultados - disse.
Oliveira Canindé, técnico do CSA (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)Oliveira Canindé alertou para dificuldades que o CSA terá pela frente na Série D (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)


Se os gols saíram com bastante intensidade no primeiro tempo, quando o Azulão foi para os vestiários já goleando por 5 a 0, na etapa final o ritmo foi diferente. O time desacelerou e a torcida até cobrou mais ofensividade. O treinador justificou a diferença no desempenho entre as duas etapas e também analisou as substituições.
Foi um jogo atípico, começamos bem, a equipe fez logo os gols de cara, então isso aí facilita um pouco. Mas não podemos esquecer que isso aí são circunstâncias de jogo." 
Oliveira Canindé
- Não podemos esquecer que temos alguns atletas chegando, sem ritmo de jogo e nós estamos tentando fazer isso. Com o tempo, cada atleta entrará e dará a sua parcela de contribuição. É o caso do Katê, que entrou, eu perguntei: Vai suportar? Ele chegou agora. Mesmo assim, ele foi até onde deu, chegou no intervalo e já estava com dificuldade, as pernas pesando, então mexemos ali. Gostei do que eu vi, um atleta com qualidade, intensidade e com certeza vai acrescentar, assim também como o [Marcelo] Nicácio. Ele está se condicionando nos jogos. Felizmente, ele entra e faz gols, mas tem que ser com tempo para que ele entre e corresponda a expectativa de todos, em cima daquilo que ele verdadeiramente poderá fazer. Então nós temos um todo. O próprio Kelvin entrou depois, com intensidade, com participação, querendo jogo, mas nós temos que segurar a onda, não podemos achar que todos os jogos serão dessa maneira porque não são. Encontraremos adversários difíceis, e o que nós precisamos é fazer a diferença quando encontrarmos as brechas, aproveitarmos melhor as oportunidades para que, mesmo com as dificuldades, o resultado possa vir - salientou.
Com a vitória sobre o Leão do Mercado, o Azulão assumiu a vice-liderança do Grupo A6, com três pontos - empatado com o Parnahyba-PI. O próximo desafio será contra o Central, no domingo, às 16h, novamente no Estádio Rei Pelé. Oliveira Canindé já adiantou que será um compromisso muito difícil contra os pernambucanos, líderes do grupo, com seis pontos.
- O Central será o segundo tempo do jogo que tivemos aqui: mais intensidade, mais marcação, brigando pelos espaços. Assim como o [Edson] Leivinha, técnico do Guarani-CE, o Macuglia é um treinador rodado, com muita bagagem, experiência, muitas rodagens em vários times do futebol brasileiro, Criciúma, Náutico, ele já treinou muitos times bons. Então um profissional gabaritado, capacitado e vai exigir muito do seu grupo. O que nós precisamos fazer é, independentemente de quem seja o adversário, do profissional que esteja no comando, nos impormos porque aqui dentro nós precisamos mandar - frisou.
CSA x Guarani-CE, no Rei Pelé (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)Autor de dois gols, Cleyton foi um dos destaques da vitória do CSA sobre o Guarani (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)

Ainda de olho no Central, o técnico do CSA também falou sobre a saída do meia Bismarck, que deixou o campo ainda no primeiro tempo, após sentir uma fisgada no músculo adutor da perna esquerda e está sendo observado pelo departamento médico marujo. Caso o titular não apresente condições de ir a campo, Canindé já adiantou quem será o substituto.
- Sem dúvida, tanto que quando eu tirei o Katê eu pensei: o Bismarck está sentindo e eu preciso descansar você também porque senão eu perco os dois e, se estourarem os dois, me complica. Então a gente tem que pensar no todo e no próximo jogo um ou outro com certeza iniciará ali. Eu tenho que pensar, eu tenho que estar lá na frente, eu tenho que vê o que poderá acontecer para que tenhamos o melhor de cada um, sejamos competitivos como a competição exige, mas com muita responsabilidade e intensidade para vencermos os nossos jogos - concluiu.
NM com Globoesporte.com/al

Nenhum comentário:

Postar um comentário