Image Map
Image Map
Image Map

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Presidente do ASA afirma que clube vai cumprir as exigências do Profut

Presidente do ASA, Bruno Euclides destaca otimismo pela classificação (Foto: Reprodução/TV Gazeta)Presidente do ASA, Bruno Euclides (Foto: Reprodução/TV Gazeta)
Na tarde dessa terça-feira, dirigentes dos clubes que irão disputar os Campeonato Alagoano de 2016 e representantes da Federação Alagoana de Futebol se reuniram para discutir diversos assuntos e uma das pautas foi o Profut (Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro). Após a eliminação da Série C do Brasileiro, o ASA agora começa a definir os planos para a próxima temporada e um dos itens que deve ser agilizado pela direção é cumprir as exigências da nova modalidade do futebol brasileiro.
Presidente do ASA, Bruno Euclides confirmou que o clube vai negociar com órgãos fiscais e cumprir as determinações da nova lei. O ASA está entre os clubes que irão participar da Alagoano que estão com situação irregular e deve apresentar todas as certidões negativas no próxima dia 17, data marcada para realização do arbitral.  
- Desde o início do segundo semestre nós vínhamos nos preparando e trabalhando no sentido de regularizar a situação fiscal do clube e de ter em mãos as certidões negativas de débitos. Nós demos uma parada nesse processo, onde nós tínhamos parcelado já uma parte da dívida com a previdência e com a receita, e faltava o FGTS. Primeiro pela falta de recursos e segundo pela promulgação dessa lei do Profut, que nos dá novas condições de parcelamento. Então, nós precisamos analisar friamente e botar na ponta do lápis qual é a opção que sai mais em conta para o clube. Eu acredito que até o prazo legal estaremos de posse das certidões, até porque temos recursos para receber ainda da Caixa Econômica, da Prefeitura de Arapiraca, e que estão dependentes da nossa regularidade fiscal. 
O dirigente avaliou de forma positiva a criação do Profut. Para ele, apenas o prazo para adequação nas exigências deveria ser estendido. 
- Foi uma iniciativa positiva de mudar, de profissionalizar e de trazer uma nova perspectiva para o futebol brasileiro, mas entendo que não houve uma discussão ampla com os diversos clubes que formam futebol brasileiro. O futebol brasileiro não se resume aos doze grandes que brigam por título na Série A, e eu vejo que o Profut contempla muito essas grandes equipes, mas negligencia as equipes do Nordeste, que é a nossa realidade. Agora nós temos uma série de adequações e essas é que precisavam de um prazo maior. Essas retiradas de certidões negativas, as negociações dos passivos trabalhistas, porque tem clubes que têm um histórico de décadas de um passivo trabalhista e isso não se resolve em 30 dias. Nós vamos correr para regularizar a situação do clube e ficar de posse das certidões que são exigidas. 
Até agora, apenas CRB, Coruripe, Santa Rita e Ipanema estão com a documentação em dia, e a punição para quem não se adequar é o rebaixamento. 
Profut
Uma lei, sancionada em agosto, que tem o objetivo de ajudar os clubes a liquidarem suas dívidas. Em contrapartida, os times têm a obrigação de cumprir imposições legais, como a apresentação de certidões negativas de débitos fiscais (CND) e de quitação de Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).
NM com Globoesporte.com/al

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PARCEIROS NA MIRA

PARCEIROS NA MIRA